Cuidar

Glomerulonefrite em cães e gatos

Glomerulonefrite em cães e gatos

O que é a glomerulonefrite?

A glomerulonefrite é uma doença imunomediada caracterizada pela deposição ou formação local de imunocomplexos na parede dos capilares dos glomérulos. Os glomérulos são as unidades funcionais dos rins.

Qual a etiologia da glomerulonefrite?

Os imunocomplexos que se depositam nos glomérulos podem ter diversas origens. Assim sendo, no cão, pode ter origem infecciosa: em vírus como o da hepatite infecciosa (contra o qual os cães devem ser vacinados), em bactérias como a E. Coli, em parasitas ( Erlichia, Leishmania, Dirofilaria e Babesia).
Nos gatos, vírus como o da leucemia felina (FeLV) ou da peritonite infecciosa (PIF); poliartrites produzem imunocomplexos que se depositam no rim causando glomerulonefrite.
Esta patologia pode ainda ser imunomediada, ter origem tumoral (linfoma, mastocitoma,…) pancreática, idiopática ou hereditária.

Qual a incidência/ prevalência desta patologia?

Os cães e menos frequentemente os gatos são afectados.
Alguns estudos indicam que os Labrador, Golden Retriever, Schnauzer miniatura e os Dachshunds de pêlo comprido são raças que apresentam esta patologia com relativa frequência.
A idade média de apresentação da glomerulonefrite é 7 anos nos cães e não há predisposição sexual; nos gatos é aproximadamente 4 anos de idade e 75% dos animais afectados é do sexo masculino.

Quais os sinais?

Em casos iniciais o seu animal poderá apenas apresentar-se letárgico e com ligeiras perdas de peso e massa muscular. À medida que a deposição contínua, poderá apresentar edemas, ascite (o que causará um aumento de peso) e atrofia muscular grave. Em casos mais graves, o seu animal poderá começar a beber e a urinar em maior quantidade (poliúria-polidipsia), apresentar anorexia (não come), náuseas e vómitos e ainda alterações respiratórias (dispneia, respiração ofegante). Convém detectar as alterações o mais precocemente possível e levá-lo ao seu Médico Veterinário.

Como diagnosticar?

O diagnóstico é feito pelo Médico Veterinário tendo em conta os sinais físicos, a análise urinária (proteinúria, relação proteína:creatinina), do hemograma, bioquímica sanguínea (hipoalbuminenia, hipercolesterolemia), electroforese das proteínas do soro sanguíneo. A radiografia e/ou ecografia são instrumentos úteis para descartar a possibilidade de outras patologias. Poderá ainda ser feita uma biópsia do rim para avaliar o nível da lesão contudo só deverá ser feita se não houver qualquer tipo de contraindicação como trombocitopenia, coagulopatias, outras lesões renais.

Qual o tratamento?

O tratamento deverá incluir várias vertentes:
um correcto maneio do paciente e educação do cliente (quanto mais precocemente a doença for identificada e corrigida, melhor o prognóstico);
actividade (restrita em casos de tromboembolismo);
dieta (com pouco sal e com proteína em baixa quantidade mas de alta qualidade);
medicação: visto que a glomerulonefrite é uma patologia imunomediada, a medicação passa ocasionalmente pela utilização de fármacos imunossupressores, por vezes poder-se-ão usar anti-hipertensores.

Prevenção:

Não cruzar animais afectados ou com suspeita de doença familiar.

Qual o prognóstico?

O prognóstico a longo prazo é reservado, geralmente a glomerulonefrite progride para insuficiência renal crónica.