Cuidar

Ansiedade de separação

Ansiedade de separação

Ansiedade de Separação

Já alguma vez chegou a casa e encontrou os pés da mesa da sala ruídos? Quando chega a casa o seu cão desata aos saltos para cima de si num ataque de energia? Os seus vizinhos já o avisaram de que o seu cão ladra compulsivamente na sua ausência? Se se revê nestes cenários, talvez já tenha ouvido falar em ansiedade de separação.

Os problemas comportamentais são bastante frequentes nos nossos animais. Com a ajuda do médico veterinário podem ser diagnosticados problemas de comportamento animal, tais como ansiedade de separação, fobias e medos ou problemas de agressão e educação.

A ansiedade de separação é um problema comportamental que afeta um grande número de cães, uma vez que são animais de matilha e não lidam bem com a solidão. Esta consiste num conjunto de comportamentos exibidos pelos cães quando são deixados sozinhos.

 

Cães que sofrem de ansiedade de separação normalmente manifestam sintomas de ansiedade e de angústia que se podem traduzir em vários comportamentos, sendo os mais comuns:

- Destruir objetos;

- Uivar ou ladrar compulsivamente;

- Urinar ou defecar em casa (quando o cão já tem mecanizado que as necessidades são feitas na rua);

- Arfar ou salivar excessivamente;

- Recusar-se a comer e beber enquanto está sozinho;

- Tentar escapar do sítio onde foi deixado;

- Reagir de forma muito excitada quando o dono regressa, saudando-o de forma demasiado efusiva.

 

Este tipo de perturbações é o resultado de uma resposta ao stress pela separação da pessoa ou pessoas a quem o animal está ligado ou apegado. A principal característica da ansiedade de separação é que os comportamentos indesejados estão claramente relacionados com a ausência de um ou de todos os membros da família. Estes comportamentos podem ter lugar quando os proprietários estão ausentes da sua habitação, ou durante a noite quando o cão dorme noutra habitação (ou divisão da casa) diferente da dos donos.

O tratamento indicado para este problema comportamental é efetuado tendo em conta a história do animal. Será preciso identificar os estímulos que provocam medo e ansiedade no animal e estabelecer uma série de técnicas que permitam diminuir essa ansiedade (terapia comportamental). Esta terapia é, por vezes, auxiliada por medicamentos ansiolíticos, sendo que a maioria destes medicamentos tem poucos efeitos secundários e benefícios bem evidentes.

 

Algumas técnicas que poderá adotar para ajudar o seu animal:

 

|Enquanto está em casa|

- Certifique-se de que o seu cão é exercitado de forma apropriada antes de o deixar sozinho.

- Dessensibilize o seu cão para os vários indícios que indicam a sua partida: pegue nas chaves e não saia de imediato, vista o casaco e sente-se a ver televisão, saia de casa e volte passado 1 minuto. Pode repetir estes comportamentos várias vezes por dia sem sair de casa, ignorando sempre a resposta do animal.

- Se o seu cão é muito dependente de si, seguindo-o para todo o lado e procurando sempre por atenção, reforce o seu comportamento calmo e obediente quando ele não estiver em contacto direto consigo.

- Pratique o comando “fica” numa área familiar ao cão, recompensando-o por ficar sentado enquanto se afasta gradualmente do animal.

 

|Antes de sair de casa|

- Prepare o ambiente (luzes, televisão, etc.) 30 minutos antes de sair e procure não fazer alterações à última da hora.

- Evite interagir com o seu cão 30 minutos antes da partida.

- Deixe o seu cão num espaço confortável, seguro e com uma temperatura amena.

- Saia de casa calmamente e não de forma efusiva.

 

|Ao regressar a casa|

- Entre calmamente e não de forma efusiva, ignorando o estado energético de alegria do seu cão. Só lhe dê atenção quando este estiver calmo.

- Não repreenda nem castigue o seu cão.

 

A resolução desta patologia é demorada e, por vezes, pode ser frustrante. Quanto mais cedo forem corrigidos os erros que possam levar ao desenvolvimento deste comportamento, mais fácil será para o cão ultrapassar a ansiedade de separação. Acima de tudo, tenha paciência para ajudar o seu animal e procure a ajuda do médico veterinário para delinear o melhor plano de tratamento.