Cuidar

Intoxicação por Aspirina no cão e gato

Intoxicação por Aspirina no cão e gato

O princípio ativo da Aspirina é o ácido acetilsalicílico que atua através da inibição da enzima ciclo-oxigenasse inibindo assim a produção de determinadas prostaglandinas, substâncias importantes no desenrolar do processo inflamatório.

O tempo de semivida da aspirina (tempo desde a ingestão até à diminuição da sua concentração no sangue para metade do valor inicial) é de 8h no cão e 40h no gato. A dose tóxica surge a partir de 25 mg/kg no gato e 50 mg/kg no cão. Os sintomas surgem após 5h da ingestão e incluem depressão, vómitos, anorexia, hipertermia e aumento da frequência respiratória. Os vómitos podem ter vestígios de sangue devido a ulceração gástrica que pode mesmo culminar em perfuração gástrica e choque séptico.

A aspirina pode também provocar uma hepatite tóxica e anemia, sobretudo nos gatos.

Não existe um antídoto específico para a intoxicação por ácido acetilsalicílico. Se a ingestão tiver ocorrido há pouco tempo deverá proceder-se à lavagem gástrica ou indução do vómito. O tratamento é de suporte e envolve a hospitalização e fluidoterapia e o tratamento das alterações associadas, como por exemplo, as úlceras gástricas.