Error loading MacroEngine script (file: PageHeader.cshtml)

Próteses da Anca nao Cimentadas

Próteses da Anca nao Cimentadas

O que é uma prótese da anca?

É a substituição da articulação da anca (cabeça do fémur e acetábulo) por um implante prostético ( prótese).

A prótese vem substituir a articulação doente ( dolorosa devido à artrose ) .

A prótese é composta por 3 componentes – o colo femoral, a cabeça femoral e o acetábulo.

Existem próteses de vários tamanhos para que se possam ajustar ao tamanho da articulação do cão.

Quando optar por uma prótese da anca?

O objectivo quando se realiza esta cirurgia é acabar com a dor existente na articulação devido à artrose de modo a aumentar a qualidade de vida do paciente. Diexa de haver instabilidade e volta a haver uma mobilidadejá inexistente devido à artrose.

 

Podem ser operados os dois membros na mesma altura?

Não. Deve ser operado um de cada vez senão o risco de complicações é maior e a recuperação pós-cirúrgica é muito mais complicada.

O tempo entre as cirurgias deve ser de pelo menos 2 meses.

 

Que cães são candidatos à prótese da anca?

Cães com sinais de dor e dificuldade em andar devido a artroses coxo femorais por displasia da anca, com luxações coxo femorais, fracturas …

Podem ser candidatos cães dos 8 meses aos 16 anos de idade.

 

Não dever ter:

– obesidade

- doenças neurológicas concomitantes

- rupturas de ligamentos cruzados

- outras complicações na articulação em causa

- na altura da cirurgia doenças infecciosas de qualquer tipo ou em qualquer local do organismo

 

O paciente deve estar em bom estado geral de saúde.

Antes da cirurgia o paciente tem que fazer um exame clínico completo, análises, electrocardiograma e um exame radiológico completo da bacia.

 

O que é uma prótese da anca não cimentada?

Ao contrário das próteses cimentadas em que a fixação é feita com um cimento especial, nas não cimentadas a fixação é feita com parafusos.

São próteses mais fisiológicas pois há a formação e uma ponte óssea entre a prótese e o osso ( calo ósseo) que leva a uma maior estabilidade.

Tem também a vantagem de que quando surgem complicações pode ser corrigida com mais facilidade.

 

Qual é a taxa de sucesso?

Entre 90 a 95% dos pacientes operados recuperam um função excelente do membro.

Em pouco tempo ( 6 a 8 semanas) deixam de ter dor, readquirem massa muscular, aumentam gradualmente a mobilidade e retornam ao exercício que há muito tempo já não conseguiam fazer.

 

Que complicações podem surgir?

Como em qualquer cirurgia podem surgir complicações quer na altura da cirurgia quer posteriormente.

Podem ocorrer luxações da cabeça femoral, fracturas do fémur, infecções ou lesões neurológicas.

O risco é relativamente baixo ( cerca de 5% ) e algumas destas complicações podem ser corrigidas sem que se tenha que remover a prótese.

 

Quais os procedimentos da cirurgia?

Após ser internado e serem feitos os exames pré anestésicos, o paciente é rapado e feita uma desinfecção rigorosa de todo o campo cirúrgico.

A cirurgia é feita com anestesia geral e com monitorização da função cardíaca, da oxigenação, da perfusão dos tecidos, da temperatura e das pressões sanguíneas.

A cirurgia demora cerca de uma hora e meia.

O paciente é medicado quer durante a cirurgia quer após a cirurgia com analgésicos potentes para que não tenha dores nenhumas.

Fica internado cerca de 5 dias.

Após a a alta deve permanecer em repouso durante os dois meses seguintes. Pode sair à rua mas sempre de trela e com exercício restringido.

Após este periodo e nos 4 ou 5 meses seguintes a recuparação continua até se atingir toda a recuperação da função articular.