Error loading MacroEngine script (file: PageHeader.cshtml)

Parálise da Laringe no Cão e Gato

Parálise da Laringe no Cão e Gato

Na Paralisia da Laringe há uma perda da função dos músculos da laringe, que normalmente abrem a laringe quando o animal respira. O resultado é obstrução das vias aéreas superiores, podendo variar em vários graus, causando dificuldade respiratória.

Existem 3 formas de Paralisia da Laringe:

Hereditária/Congénita -Bouvier des Flandres ( gene autossómico dominante)

- Siberian Husky

- Bull Terrier

- Dálmata ( gene autossómico recessivo)

Adquirida - Deficiências hormonais

- Neuropatias Periféricas Generalizada

- Anomalias do nervo vago ou dos nervos da laringe

- Trauma cervical

- Doença na parte anterior do tórax

- Imunomediadas

- Tumores (gatos parecem mais afectados)

Idiopática - é a forma mais comum

- descrita em raças grandes/gigantes: Setters; Labrador Retriever; São Bernardo; Terranova

- machos parecem mais afectados

Sintomatologia

  • Tosse
  • Inspiração ruidosa
  • Dispneia – dificuldade respiratória
  • Cianose – falta de oxigénio
  • Intolerância ao exercício
  • Disfonia – alteração do ladrar até pode chegar a ficar afónico.
  • História do Cliente
  • Raça de grande porte
  • Respiração ruidosa
  • Intolerância ao exercício
  • Sofrimento respiratório (cianose)
  • Historia de disfonia
  • Fraqueza muscular se há miopatia/miastenia gravis
  • Tosse ou engasgo quando come

Diagnóstico

Hemograma, bioquímicas e análise de urina geralmente normais

Gasometria detecta a hipoxia e a acidose respiratória

Análise a T4, para descartar hipotiroidismo

Raio X, ajuda no diagnóstico diferencial

Laringoscopia, prova de eleição, visualização directa da laringe com o paciente sob anestesia

Tratamento

Quando há stress respiratório marcado deve-se fazer oxigenoterapia combinada com sedação e corticosteroides, por vezes este procedimento pode não ser suficiente e poderá ser melhor recorrer a uma traqueotomia de emergência na tentativa de estabilizar o paciente.

Após estabilização ponderar resolução cirúrgica, que normalmente é a melhor forma de solucionar o problema. Recomenda-se uma reavaliação da laringe 3 a 4 semanas após cirurgia.

Razões de Falha no Tratamento:

- Recorrência dos sinais clínicos, causa subdiagnosticada ou por complicações cirúrgicas.

- Pneumonia por aspiração;

Prognóstico

O prognóstico é bom quando a cirurgia ocorre com sucesso, variando para mau quando há pneumonia por aspiração, podendo mesmo ser reservado se a motilidade da faringe e esófago estiver comprometida.

Informação ao Cliente

Deve ser-lhe esclarecido que a qualidade de vida do animal melhora quando submetido a cirurgia, e caso esse procedimento não seja efectuado, este deve ter cuidado com as temperaturas elevadas já que dificultam a respiração do paciente.

O veterinário deverá também explicar o carácter hereditário da paralisia da laringe, de forma a evitar futuros cruzamentos e assim transmitir a patologia à descendência.

O cliente também deve ter claro as complicações que podem ocorrer durante o tratamento desta patologia como a pneumonia por aspiração.