Error loading MacroEngine script (file: PageHeader.cshtml)

Lipoma em cães e gatos

Lipoma em cães e gatos

O que é um lipoma?


Um lipoma é um tumor subcutâneo benigno, caracterizado pelo aparecimento de uma massa subcutânea bem definida e circunscrita. Trata-se de uma massa não dolorosa, que não está relacionada com quadros infecciosos, nem com perda de pêlo. Estas formações podem surgir em qualquer parte do corpo, sendo, no entanto, mais frequente no tronco e membros anteriores (axilas). É caracterizado por um crescimento lento e consistência semelhante a borracha, pode ser individual ou múltiplo.
É bastante comum em cães idosos e de meia-idade, as fêmeas idosas e com excesso de peso apresentam uma maior predisposição para este problema. Algumas raças, tais como Doberman Pinschers, Schnauzers miniatura e Labrador Retrievers, podem ser consideradas grupos de risco. Pode surgir em gatos, embora se trate de uma situação relativamente rara.


Como diagnosticar?


Deve-se recolher a história clínica do animal e fazer uma palpação cuidadosa da massa, anotar o tamanho, a localização e a textura desta, bem como a velocidade de crescimento.
Para chegar a um diagnóstico definitivo é necessário fazer uma biópsia. Com uma agulha fina aspira-se uma amostra da massa, que depois é observada ao microscópio. Assim, é possível caracterizar as células presentes e proceder à abordagem clínica mais correcta.


O que fazer se o lipoma for confirmado?


Se a biópsia for positiva deve-se vigiar o desenvolvimento da massa, isto é, se esta aumenta de tamanho num curto espaço de tempo, se assume carácter doloroso ou se impossibilita os movimentos do animal.
É importante que o proprietário faça medições regulares da massa, de forma a auxiliar o médico veterinário no que respeita à evolução do caso.
O paciente deve ser seguido anualmente, fazendo biópsias de controlo, para assegurar que não ocorreram mudanças celulares significativas.


Qual o tratamento?


Os lipomas não são dolorosos e não constituem qualquer risco para a vida do animal. No entanto, podem ser removidos cirurgicamente, embora tal só se justifique em caso de provocar dificuldades motoras ou desconforto ao animal.
A sua remoção por motivos estéticos é desaconselhada. Se não existirem complicações o tratamento resume-se à monitorização da massa.


Qual o prognóstico?


Se estivermos perante um lipoma sem complicações associadas, o prognóstico é bom, é apenas necessário que se mantenha a vigilância sobre a massa. É frequente que um animal com um lipoma apresente, ao longo do tempo, novas formações.

Existe uma variante do lipoma com carácter infiltrativo, o lipoma infiltrativo. Trata-se de um tumor difuso que se pode localizar a nível da musculatura abdominal, tecido nervoso, miocárdio, ossos e articulações. Esta variante é de difícil tratamento, já que é impossível a sua remoção. No entanto, é um tumor de características benignas, já que não metastiza e na sua citologia são evidenciados adipócitos benignos.

É importante distinguir estas duas situações de uma outra, o lipossarcoma. O lipossarcoma é um tumor maligno, de carácter infiltrativo e metastização muito rápida. São tumores relativamente raros, que ocorrem em animais idosos, sendo diversas vezes associados a casos de obesidade. São firmes, pouco definidos e mais comuns na região ventral, metastizam rapidamente para o pulmão, fígado e osso.