Error loading MacroEngine script (file: PageHeader.cshtml)

Infertilidade no Cão Macho

Infertilidade no Cão Macho

Um cão infértil é aquele que falhou em emprenhar uma ou mais cadelas receptivas que lhe foram apresentadas durante o seu período fértil. Os tipos de infertilidade podem variar em severidade e duração.

A infertilidade pode ser completa ou permanente, e neste último caso o animal será considerado estéril. Contudo a infertilidade poderá ser considerada incompleta, parcial ou temporária e o animal poderá apresentar uma reduzida capacidade para reproduzir caracterizada por uma baixa taxa de concepção e ninhadas demasiado pequenas. Enquanto que as consequências da infertilidade são óbvias como foram indicadas anteriormente, a identificação dos agentes causais, diagnóstico específico e tratamento adequado da infertilidade podem ser problemáticos.


Os cães inférteis podem ser divididos em duas categorias:

1- Aqueles que são incapazes de realizar a monta

2- Aqueles que são incapazes de alcançar a fertilização normal.

 

1 – Incapacidade de Realizar a Monta:

As causas podem ser variadas:

a) Falta de Libido: Embora a falta de desejo sexual possa ser determinada geneticamente, as influências ambientais jogam um papel importantíssimo no seu desenvolvimento. Sabemos que o Dwarfismo Pituitário doença causada por um defeito genético, pode provocar falta de libido devido à pouca quantidade de testosterona que se produz.

Mas normalmente a causa da falta de libido tem haver com influências ambientais como a seguir passo a descrever:

- Nunca devemos cruzar machos com fêmeas que não estejam devidamente receptivas e possam reagir com agressividade ao macho.

- Tentar realizar o cruzamento no meio ambiente normal onde o macho vive para que não haja situações de timidez por parte do mesmo e reagir mal ao novo ambiente.

- Machos novos podem demonstrar falta de libido por terem ainda baixos níveis de testosterona devido a que ainda não atingiram a puberdade, o mesmo pode acontecer a machos senis.

- Doenças sistémicas que possam provocar febre, anorexia, debilidade, mas também as doenças hormonais como o hipotiroidismo e hiperadrecorticismo.

- Medicamentos: A administração de testosterona para tentar corrigir a falta de libido pode reduzir ainda mais a produção de testosterona devido a um mecanismo de feed-back negativo. Não devemos nunca administrar testosterona para aumentar a libido. Outros medicamentos podem causar a diminuição da produção de testosterona e por conseguinte uma diminuição da libido, tais como os corticóides, estrogénios, progestagénios, esteróides anabolizantes, cimetidina e ketoconazol (antifúngico).

- Nutrição: É muito importante que seja equilibrada, já que se não for poderá retardar a puberdade, o excesso, ou seja animais excessivamente gordos podem tornar-se preguiçosos e ter mais tendência devido ao excesso de peso a desenvolver artrites.


b) Defeitos Físicos
:Este tipo de problema pode estar relacionado com a cadela e com o macho também. Alguns destes problemas podem ser corrigidos, em situações crónicas o animal pode manifestar dor sempre que tenta realizar o coito.


b.1.) Incapacidade de cobrir a cadela:
Esta incapacidade pode estar relacionada com dor em partes do corpo do animal relacionadas com o aparelho reprodutor como doenças do foro ortopédico, coluna, displasia da anca, rotura de ligamentos cruzados do joelho, artrose da articulação do joelho, ou prostatites.


b.2) Incapacidade de penetração do macho:
As doenças mais comuns são as congénitas que afectam o pénis e o prepúcio, como a persistência do frenulum do pénis, hipoplasia do pénis, estenose do prepúcio que interferem com o desenvolvimento dum coito normal.
Defeitos adquiridos do pénis, como traumas, lacerações ou neoplasias do pénis e /ou prepúcio podem provocar uma dificuldade de penetração do pénis.
Há cães jovens hiperexcitados que por uma dilatação prematura das glândulas bulbo uretrais, devido a uma erecção precoce não conseguem penetrar na vagina da cadela. Estas glândulas só dilatam depois da penetração total do pénis, num coito normal.
Da parte da cadela pode existir um hímen mais duro que o normal que pode provocar dificuldades de penetração.

 

2 – Incapacidade do Cão Conseguir uma Fertilização Normal:


Estes cães tem uma libido normal e não tem dificuldade de penetração.
A infertilidade é devida a :

a) Ejaculação incompleta ou ausente

b) Redução do número de espermatozóides ou ausência completa dos mesmos.

c) Plasma seminal anormal.

 

a) Ejaculação incompleta ou ausente: Isto pode ocorrer quando existe uma má formação da “gravata” que vai provocar uma ejaculação retrograda.

 

b) Redução do número de espermatozóides ou ausência completa dos mesmos: Podemos encontrar com uma certa frequência as seguintes anormalidades. No sémen dos cães:


. Azoospermia: 
Ausência de espermatozóides no ejaculado.

. Oligozoospermia: Baixo número de espermatozóides no ejaculado.

. Asthenozoospermia: Ejaculado que contém uma percentagem elevada de espermatozóides mas que não têm motilidade progressiva normal.

. Teratozoospermia: Ejaculado que contém um elevado número de espermatozóides com defeitos morfológicos dos mesmos.


Todos estes defeitos descritos anteriormente podem ser congénitos ou adquiridos.



DEFEITOS CONGÉNITOS:

A Hipoplasia testicular é uma doença hereditária e congénita ,do que resulta uma marcada redução de espermatogonias das gônadas. Esta doença pode afectar um testículo ou ambos. Devido ao reduzido número de tubos seminíferos, os testículos destes animais são consideravelmente mais pequenos que o normal para o standard da raça.
As anormalidades da espermatogênese podem ter uma origem genética, as mais frequentes são a falta de motilidade dos espermatozóides, ou más formações mais específicas como duplas cabeças, duplas caudas, Etc.
A Oligozoospermia e fertilidade reduzida pode estar presente em cães com Criptorquidismo unilateral.

 

DEFEITOS ADQUIRIDOS:

Todos estes defeitos dão origem a degeneração e atrofia testicular.
Dependendo da causa, duração e severidade da doença dará origem a uma incompleta ou completa espermatogênese, ou a uma baixa produção ou espermatozóides anormais.
Os cães inférteis devido a defeitos adquiridos do tracto reprodutivo foram em geral previamente férteis.

 

Os factores mais frequentes associados com a infertilidade adquirida são:

. Infecções que produzem azoospermia por afectarem directamente o testículo, causando uma orquite ou epididimite. A Brucelose provocada pela brucela canis dá origem normalmente a uma orquite severa. Qualquer aumento de temperatura do testículo terá efeitos adversos na produção de esperma, pode ocorrer em febres sistémicas, dermatite escrotal, orquite do outro testículo, temperaturas ambientais excessivamente elevadas.

. Traumas localizados a nível do testículo, mordeduras, lacerações, etc. que podem provocar quebra da barreira hematotesticular resultado daí uma doença autoimune que dará origem a infertilidade.

. Medicamentos e Toxinas ambientais: Podem actuar directamente sobre o epitélio germinal afectando a espermatogênese. Nestes casos podemos incluir determinadas drogas para tratamento de tumores como a Ciclofosfamida, clorambucil e cisplatina.
Outros medicamentos podem ter um efeito indirecto resultando numa falha da espermatogênese porque interferem com o eixo hipotálamo –hipofise.
Testículos, os mais frequentes incluem : Androgénios, esteróides Anabolizantes e corticosteroides (cortisona).

. Tumores testiculares que reduzem a produção de esperma, devido a uma invasão e destruição do tecido normal testicular.

 

c) Anormalidades do plasma seminal:

Um plasma seminal anormal pode ter uma origem em partes do corpo não relacionadas com o aparelho reprodutor, como o aparelho urinário.

Ou em certos casos podem estar presentes no sémen como resultado de um trauma, infecções do pénis, prepúcio, uretra ou glândulas acessórias.


O sémen deve ser devidamente examinado tendo em conta as seguintes Anormalidades:


. Volume reduzido:
 A causa principal é a redução da secreção prostática, devido a hiperplasia crónicas da próstata.

. Cor Anormal: A cor amarelada o verde pode indicar-nos contaminação com urina ou um exudado inflamatório. A cor acastanhada pode significar a presença de sangue hemolizado devido a uma doença prostática. A cor avermelhada indica-nos a presença de sangue fresco devido a trauma durante a ejaculação ou recolha para inseminação.

.Contagem de Glóbulos Brancos Elevada: Uma contagem de glóbulos brancos superior a 2.000/ml irá dar-nos uma indicação de estarmos na presença de uma infecção.
As infecções podem ocorrer no tracto urinário, epididimo, vaso deferente e Próstata, vão dar origem a Oligozoospermia, Teratozoospermia, Asthenozoospermia e na produção de anticorpos antiesperma.
A incapacidade de engravidar nem sempre é devido à fêmea, mas como podemos verificar pelo exposto anteriormente pode ser devido ao macho.