Error loading MacroEngine script (file: PageHeader.cshtml)

Fibrossarcoma Vacinal em Gatos

Fibrossarcoma Vacinal em Gatos

Definição


O Fibrossarcoma Vacinal Felino (FVF) é um tumor maligno com origem num tipo de células encontradas na pele e tecido subcutâneo denominadas fibroblastos. O Fibrossarcoma pode ocorrer espontaneamente, mas o FVF ocorre após a administração de determinados injectáveis, sobretudo as vacinas para o vírus FeLV e Raiva. Tal deve-se ao facto de as vacinas para a Raiva e FeLv serem o que denominamos de vacinas mortas (não incluem o agente vivo da doença para a qual protegem) sendo portanto menos “potentes” necessitando de recorrer a adjuvantes que promovem uma resposta inflamatória exuberante no local da inoculação potenciando a vacina mas também aumentando o risco de desenvolvimento de neoplasia.


Sintomas


O proprietário detecta normalmente um nódulo duro, não doloroso e aderido na pele na zona de inoculação das vacinas, normalmente entre os ombros. A presença de um nódulo após vacinação ou injectável pode ser normal nas primeiras semanas após a inoculação, mas deve sempre ser investigado pelo veterinário. Normalmente o intervalo de tempo entre a administração do injectável e o surgimento do tumor é de vários meses até anos.

Causas 


O risco de um felídeo desenvolver uma neoplasia após a vacinação com vacina Felv/raiva varia entre 1/1000 e 1/10000. As vacinas regulares anuais não são um factor de risco importante para o desenvolvimento desta doença.
Assim, antes de vacinar o seu gato para a FeLV deve discutir com o seu veterinário a necessidade de vacinação de acordo com o estilo de vida/comportamentos de risco do seu gato. Não existem ainda guidelines claras sobre quais animais devem ser vacinados, mas gatos indoors sem contacto com outros gatos são candidatos a não serem vacinados para FeLV.


Exames


A confirmação do diagnóstico pode ser feita por citologia, mas sobretudo por biópsia do nódulo. A realização de TAC para delimitação da extensão do tumor está também indicada.


Tratamento


O tratamento é sempre cirúrgico. Apesar de ser altamente maligno este tumor não desenvolve facilmente metástases pelo que a cirurgia pode ser curativa. É muito importante que a cirurgia seja realizada por um cirurgião experiente de forma a a ser realizada com margens suficientes e remover o tumor na totalidade. A dificuldade prende-se com a existência de ramificações do tumor não visíveis pelo que mesmo nódulos pequenos devem ser removidos com cirurgia extensa.
Além do mais, a probabilidade de cura é maior na primeira cirurgia e diminui com cirurgias subsequentes não havendo sucessos para além da 3ª cirurgia.
Apesar de muito maligno este tumor pode ser completamente curado dependendo do sucesso da cirurgia.