Cuidar

Alimentação nos animais

Alimentação nos animais

A importância da alimentação

Tal como os humanos, os animais têm necessidades nutricionais específicas, que dependem da raça, da idade, do estilo de vida e de algumas sensibilidades tais como: a sensibilidade digestiva; sensibilidade de pele e pelagem; sensibilidade articular ou excesso de peso. À semelhança do que acontece connosco, os animais também são aquilo que comem. Se por um lado o animal sofre de algumas carências ou excessos nutricionais e se não recebe uma alimentação equilibrada, poderá estar sujeito ao aparecimento de algumas doenças. Pelo contrário, se for dado ao seu cão ou ao seu gato o que necessitam, será possível garantir um desenvolvimento correto na fase de crescimento, manutenção da vitalidade durante a fase adulta e um envelhecimento saudável na fase geriátrica e inclusivamente prevenir determinadas doenças.   

Existem diferentes tipos de alimentos disponíveis para animais mas também muita informação que por vezes poderá levar a que muitos donos tenham dificuldade em escolher o alimento para o seu animal. O mais importante é escolher aquele alimento que melhor se adapta às necessidades do seu animal, que confira nutrientes de elevada qualidade e digestibilidade, ou seja que o seu animal consiga aproveitar, que não provoque flatulência e que ajude a dar suporte a uma vida saudável. Existem algumas perguntas que poderá fazer para o ajudar a escolher. Será que este alimento é formulado com base em conhecimento científico? Será que a empresa que está por trás deste alimento garante a qualidade desde as matérias-primas até que o produto final chega à casa dos donos? Será que equipa médico veterinária tem confiança no alimento que eu escolhi? A quem posso recorrer se tiver algum problema ou dúvida relativamente a um produto? Aconselhe-se sempre com o seu médico veterinário para que ele lhe possa aconselhar qual a melhor solução nutricional que se adapta ao seu animal.

Lembre-se que a base de uma boa alimentação é fornecer os nutrientes em quantidade e qualidade, de acordo com seu estado fisiológico, permitindo-lhe assegurar a sua sobrevivência, o seu estado de saúde e a sua qualidade de vida.

A alimentação do seu animal deve ser uma preocupação tal como a higiene, a brincadeira, os passeios ou a visita ao médico veterinário.

Objetivos nutricionais                                              

Para que o seu animal se mantenha saudável e com uma condição corporal ideal durante muitos anos, o seu alimento deve satisfazer todas as suas necessidades. Os alimentos são especificamente formulados para satisfazer as necessidades nutricionais dos animais, tendo em consideração a raça, a sua idade, tamanho, nível de atividade e necessidades específicas que variam ao longo da vida.

Respeite a dose diária recomendada

Para prevenir desequilíbrios nutricionais e o excesso de peso é essencial controlar a quantidade de alimento que o seu animal ingere por dia.

É muito importante cumprir as doses recomendadas diariamente. Nunca ofereça guloseimas nem sobras de refeições. O alimento utilizado como recompensa deve ser deduzido à dose diária recomendada.

Cuidado com os extras!

Para o Homem, a alimentação constitui uma forma de interação e de expressão de afetos. Por este motivo, é frequentemente encarada como o meio mais fácil de estabelecer contacto com um animal.

A alimentação pode, também, ser uma forma de pedir desculpa ao animal, por exemplo quando o dono se sente culpado por deixá-lo sozinho durante todo o dia. No entanto, para o animal, este sistema de comunicação não tem qualquer significado. Utilizar os alimentos para estabelecer um relacionamento com o animal é, efetivamente, um erro que pode conduzir à obesidade. O seu cão atribui mais valor aos contactos sociais: elogiá-lo e brincar com ele, por exemplo, são excelentes recompensas! Substitua gradualmente a recompensa alimentar por um contacto social.

 

O recurso a esta estratégia diminui a dependência alimentar e, consequentemente, o risco de excesso de peso na fase adulta. Além disso, reforça a ligação afetiva que o seu animal tem consigo!

 

Diga não aos restos

Oferecer restos da refeição do dono é normalmente o resultado da melhor das intensões: “eles merecem provar” ou “é preferível dar do que deitar no lixo”. No entanto, os alimentos preparados para os donos vão perturbar o equilíbrio nutricional promovido pelo alimento de elevada qualidade que o animal está a receber e afetar a digestão.

É importante relembrar que um animal e o ser humano não têm as mesmas necessidades nutricionais. O organismo dos animais de estimação é muito diferente, assim como as suas capacidades digestivas.

Por estas razões os animais devem ser respeitados pelas suas características e isso também se reflecte em respeitar as suas necessidades nutricionais!

 

O cão não é igual ao Homem e o gato não é um cão pequeno!