Cuidar

10 perguntas sobre o cancro

10 perguntas sobre o cancro

Um diagnóstico de cancro de um animal de estimação, que é um membro da família, é como se uma parede de tijolos de uma tonelada caísse em cima de nós, os donos.

Se o seu caso é este e se encontra nesta posição tão desconfortável, aqui vão 10 questões que deve perguntar ao seu médico veterinário, para poder preparar os primeiros passos na resolução deste terrível problema.

 

1.    Está segura/o do diagnóstico?

A máxima de ouro em cancro é sempre a BIOPSIA, mas nem todos os cancros podem ou devem ser alvo de biopsia.

Por exemplo, o cancro cerebral mais frequente em gatos, o meningioma, tem características únicas nas imagens de TAC, quando o neurocirurgião vê um, remove o tumor baseado na aparência do TAC, sem antes ter sido possível fazer a biopsia.

O resultado do cancro só é definitivo depois do tumor retirado, enviado para o laboratório e analisado.

 

2.    Será que o meu animal de estimação necessita de uma biopsia?

Em certas ocasiões o nosso médico veterinário suspeita de um cancro, mas uma prova de diagnóstico não invasiva e rápida chamada citologia aspirativa vêm com resultado de inconclusiva.

Quando isto acontece é necessário retirar um fragmento de tumor muito pequeno (fazer uma biopsia) para termos um diagnóstico conclusivo.

 

3.    Podemos fazer mais testes?

Por exemplo os tumores de pele mais frequentes chamados mastocitomas tem três graus de malignidade, grau I,II e III. O Grau III é maligno, mas a descrição da biopsia do grau II poderá dar-nos informação de como irá comportar-se no futuro.

 

4.    Que outro tipo de testes podem avaliar a extensão do cancro?

Todos os cães e gatos com diagnóstico de cancro devem fazer sempre uma radiografia de pulmão se possível em três posições. Pois muitos tipos de cancro passam para o pulmão (metástases).

Ecografia de abdómen é imperativa como diagnóstico adicional, pois muitos tipos de cancro podem metastizar em órgãos internos, pode ser necessário também citologia de gânglios ou TAC.

 

5.    Que tipo de tratamentos se pode realizar ao animal de estimação com cancro?

Claro que de longe a mais eficaz é a cirurgia, com margens cirúrgicas amplas para ter a certeza que extirpamos todo o tumor, esta é a forma mais comum de tratamento.

A quimioterapia é uma das formas de tratamento associado à cirurgia ou em certos tipos de tumores, a única opção.

 

6.    Quais são as opções para o meu animal?

Pode haver várias opções que devem ser conversadas e explicadas com detalhe aos donos. Podem ser cirúrgicas, cirúrgicas e quimioterapia ou apenas quimioterapia. Tudo depende do tipo de tumor e onde está situado.

 

7.    Se o meu animal realizar quimioterapia vai ter náuseas?

Os animais são muito fortes, não têm este tipo de sintomas com a quimioterapia e existem medicamentos para controlar qualquer tipo de sintoma.

 

8.    Será que o meu animal vai perder o pêlo?

Boas notícias. Aos animais de estimação não lhes cai o pêlo com quimioterapia.

 

9.    Deve consultar um especialista?

Sem dúvida. Os médicos generalistas lidam poucas vezes com casos deste tipo tão delicados e com supervisão bastante apertada.

No Hospital Veterinário do Porto, o nosso médico e colega Dr. Luís Lobo é o especialista que poderá consultar em caso de qualquer de dúvida oncológica (ou outra da área) para que fique bem esclarecido(a).

 

10.  O que faria se o animal fosse seu?

Esta é uma das perguntas que mais me fazem a mim no consultório como médico veterinário e também dono de um animal de estimação, eu estou convicto que que se deve tratar os animais com cancro desde que lhes possamos dar uma boa qualidade de vida e que se mantenham na companhia das famílias o mais tempo possível, pois eles são membros dessas mesmas famílias.

Podem haver alternativas mais fáceis, mas que de facto não são alternativas…, é bem melhor tratar o seu animal e no Hospital Veterinário do Porto ajudamo-lo a que isso aconteça.